PROGRAMAÇÃO

VENTO SUL

ESPAÇO ESPELHO D"AGUA

PORTUGAL

1/19

Fotografias/photos by Nelson Chantre & Fabio Alves

LELU
KIZUA

Artist / Artista

Lino Damião

Nelo Teixiera

Curated / Curadoria

João Silvério
In​ês Valle
Dates / Datas

09 Jun – 11 Jul 2021

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Program / Programa

VENTO SUL

Venue / Local

Espaço Espelho D'Água 

Belém, Portugal

Press Contact

Fotografias

Folha de Sala

Artworks

Um diálogo artístico entre os dois artistas contemporâneos angolanos que reflete a experiência da vivência atual do mundo, os seus desafios e obstáculos.                        

Lelu Kizua é a segunda exposição conjunta dos artistas angolanos Lino Damião e Nelo Teixeira em Portugal e tem como mote um diálogo de criações artísticas entre os dois autores que se encontravam ambos em Portugal no início da pandemia em 2020.

Num momento em que a história do Planeta colocou em questão tantos aspetos que considerávamos como garantidos, os artistas encontram nesta encruzilhada, a inspiração para refletir sobre essas mudanças, sobre os desafios e a coragem para encontrar formas de enfrentar as alterações e ultrapassar os obstáculos.  O título da exposição Lelu Kizua pode ser interpretado, numa tradução livre da língua Kimbundum, como uma referência à actualidade, aos dias de hoje, mas sem esquecer as histórias e as estórias recentes que ambos os artistas viveram. Esta relação com o presente não é estribada numa nostalgia do passado, mas numa certa melancolia que se presente por entre as diversas formas, figuras e personagens que as composições pictóricas e tridimensionais convocam. Como uma espécie de folha de diário que guarda as memórias de cada um. No limite, de cada um de nós.

 

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

An artistic dialogue between two contemporary Angolan artists reflecting upon their experience of current world life, its challenges and obstacles.  

 

Lelu Kizua is the second joint exhibition of the Angolan artists Lino Damião and Nelo Teixeira in Portugal, who were both in Portugal at the beginning of the pandemic in 2020.

In a moment in which the history of our planet has brought into question so many aspects that we have taken for granted, the artists found at this crossroad the inspiration to ponder on those changes, challenges and the courage to find ways to overcome obstacles and confront the issues.  The title of the exhibition Lelu Kizua may be interpreted, in a free translation from the Kimbundum language, as a reference to the present time, the days of today, but without neglecting the recent stories and histories that both artists have lived through. This relationship with the present is not based on nostalgia for the past, but rather on a certain melancholy that is felt in the various forms, figures and characters that the pictorial and three-dimensional compositions evoke. As a kind of a diary page that preserves the memories of each one of us. In the limit, of each and every one of us.  

___

LELU KIZUA is part of the cultural program VENTO SUL at Espaço Espelho D'Água in June/July 2020. It has the financial support of DGARTES, and the institutional support of UCCLA and the Angolan Embassy in Portugal.

The Artists/ Artistas

Lino Damião trabalha sobretudo em pintura, fotografia e gravura. Muito cedo começou a desenhar e pintar, tendo frequentado o curso de desenho no Ex-Barracão; na UNAP, cursou pintura e a primeira oficina. Marcou ainda presença no atelier do grande mestre Victor Teixeira (Viteix). É membro fundador da cooperativa Pró-Memória dos Nacionalistas e membro da União Nacional dos Artistas Plásticos. Participou em diversas exposições, das quais se destaca a primeira bienal de jovens criadores da CPLP, no Porto (Portugal ,2000); no projecto Galarte no Elinga Teatro (entre 2000 e 2006); e na Trienal de Luanda. Realizou várias exposições individuais com destaque para Cores, Cómicos e Contrastes, no Lebistrot Luanda (1999), Manchas e contornos, na Galeria Cenarious (2000); Liberdade, no Laboratório Nacional de Cinema Luanda (2002). Em 1998, apresentou o projecto Paragens, em Portugal e na Ásia; e em 2013  a exposição Kukina- Ligações na Galeria SOSO Arte Contemporânea em Luanda. É vencedor do prémio de pintura da UNAP.

 

Nelo Teixeira Natural de Mbanza Congo, província do Zaire, o artista trabalha é natural de Mbanza Congo, província do Zaire, o artista trabalha sobretudo pintura e instalações baseadas na utilização de tecido, papel, madeira e "found objects", produto do desperdício da sociedade contemporânea de consumo. A reutilização de materiais encerra uma referência directa à cultura e tradição de seu país, mas também aos novos "ritmos" culturais e às vozes sociais dissonantes. Em cidades como Luanda, é frequente esta incorporação de objectos encontrados em lugares incertos. A sucata, as praias, ou as ruas são entendidos, neste contexto, como ambientes e meios de pesquisa e simultaneamente, como fonte de matéria-prima, onde se alimenta e desenvolve um conceito de "moldura" (frame), que "dessacraliza" o objecto de arte. Usando a paisagem urbana como pano de fundo, Nelo Teixeira assume uma voz crítica que explora o conceito de fronteiras (físicas e psicológicas) entre a Chicala (guetto urbano) e a cidade em construção, questionando esse próprio desenvolvimento. Nelo Teixeira tem exposto regularmente, desde 2000, das quais se destaca: 2018, Fucking Globe - Quarto 110 Secção de Apertos, 56.ª Exposição Internacional de Arte - Bienal de Veneza 2015/ Pavilhão de Angola, Trienal de Luanda, 2016 Os Nacionalistas” no ELINGA Theatre; Representado pela Galeria de Arte THIS IS NOT A WHITE CUBE. 

João Silvério (curator/ curador)

Mestre em Estudos Curatoriais pela Faculdade Belas-Artes da Universidade de Lisboa. É curador associado da coleção de arte contemporânea da Fundação PLMJ. Curador e tutor no projeto RAMA Residências para Artistas, Maceira, Portugal. Iniciou a sua atividade como curador independente em 2003. Cria o projecto independente EMPTY CUBE em Outubro de 2007 que tem apresentado projetos de artistas, designers e arquitectos. Foi Presidente da Secção Portuguesa da AICA – Associação Internacional de Críticos de Arte, desde Março de 2013 até Dezembro de 2015. Escreve regularmente sobre projectos artísticos em catálogos, publicações e websites entre os quais no www.emptycube.org

Inês Valle (curator / curadora)

É uma curadora de arte, especializada em artes contemporâneas africanas e aborígenes, práticas e comunidades internacionais de arte social e de sustentabilidade. Forte defensora da preservação internacional, interdisciplinaridade e na troca de ideias, Inês Valle iniciou e participou em vários projectos artísticos que visam estimular a compreensão da noção conceptual do "outro", não para inserir ou apresentar alternativas às narrativas hegemónicas dominantes. É Licenciada em Artes Visuais e Mestre em Estudos Curatoriais ambos na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. É fundadora do The CERA PROJECT, e cofundadora da FRAT Lab na Nigéria. Tem colaborado com diversas organizações de arte, como Canberra Arte Contemporânea (Austrália), Centro Cultural Belém e Museu de Arte Contemporânea - Colecção Museu Berardo (Portugal).


 

ABOUT
PARTICIPANTS

Exhibitions & Events Archive                                                                                                                                                   VIEW FULL ARCHIVE

1/2